“Ou tem o impeachment de Bolsonaro ou tem o golpe e o povo vai ter que escolher”, defende Alex da Piatã

Na avaliação do deputado estadual Alex da Piatã (PSD) é chegada a hora de colocar em curso o processo de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). De acordo com o pessedista, as recentes declarações do chefe do Planalto, durante as manifestações deste feriado de 7 de Setembro, escancaram o seu desejo pela desarmoniza constitucional, o descumprimento da civilidade no Estado Democrático de Direito o que representa a ultrapassagem do limite da sua atuação a frente de presidência.

“Se vendo numa situação em que está acuado, o presidente da República viu que no próximo ano ele não iria conseguir sequer chegar ao segundo turno eleição, hoje ele deu o seu tiro de misericórdia, foi pra o tudo ou nada, fez declarações dizendo que não vai obedecer uma decisão judicial do ministro Alexandre de Morais do Supremo, deu declarações de que só sai morto, de que não vai aceitar prisão, ou seja, deixou claro de que vai para o tudo ou nada”, comentou Alex na noite desta terça-feira (7), na Câmara de Vereadores de C. do Coité, durante participação da Conferência do PCdoB.

“Não vejo outra alternativa: a solução é o impeachment do presidente Bolsonaro. Não tem outra solução: ou tem o impeachment ou tem o golpe e o povo vai ter que escolher depois do dia de hoje. A gente vai ter que fazer esse enfrentamento e essa luta para evitar que o golpe aconteça. Infelizmente. Não imaginava que fosse chegar esse ponto. Ficou claro que ele vendo a sua popularidade diminuir e que não tem condições de resolver os problemas do País resolveu ir para o tudo ou nada”, completou.

O político também destacou o trabalho de unidade, a nível de Bahia, na base do governador Rui Costa (PT) para os enfrentamentos futuros da eleição de 2022. Disse acreditar em um grupo coeso com os partidos da atual conjuntura com o intuito de continuar um projeto que tem, na sua opinião, melhorado a vida do povo baiano.

XP/Ipespe: Lula amplia vantagem sobre Bolsonaro e venceria qualquer candidato no 2º turno

Uma pesquisa realizada pela XP/Ipespe, divulgada nesta terça-feira, 17, indica o crescimento contínuo das intenções de voto no ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) para as eleições presidenciais de 2022. De acordo com o levantamento, no primeiro cenário, o líder petista marcou 40% das intenções de voto no 1º turno, enquanto Jair Bolsonaro obteve 24%.

Trata-se da quinta pesquisa em que Lula manifesta a tendência de alta – em março, ele registrava 25%. Já Bolsonaro, dentro da margem de erro, oscilou dois pontos para baixo. Em março, o mandatário marcou 26% das intenções. Na sequência aparecem Ciro Gomes, do PDT (10%), Sergio Moro (9%), Luiz Henrique Mandetta, do DEM (4%), e Eduardo Leite, do PSDB (4%).

No principal cenário de segundo turno, Lula amplia a vantagem sobre Bolsonaro. O ex-presidente registra 51%, ante 32% do atual presidente. Na rodada anterior, a vantagem era de 49% a 35%.

Lula venceria ainda qualquer outro adversário no segundo turno: contra Moro, ganharia por 49% a 34%; contra Ciro, por 49% a 31%; e contra Eduardo Leite, por 51% a 27%.

Ciro Gomes também derrotaria Bolsonaro no 2º turno (44% a 32%). Sergio Moro (36% a 30%), João Doria (37% a 35%), Mandetta (38% a 34%) e Eduardo Leite (35% a 33%) aparecem numericamente à frente de Bolsonaro, mas em empate técnico, com base na margem de erro.

A pesquisa XP/Ipespe entrevistou mil pessoas em todo o país entre os dias 11 a 14 de agosto e tem margem de erro de 3,2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Projeto do deputado Alex da Piatã garante vagas de trabalho para mulheres vítimas da violência

Assegurar vagas de trabalho para mulheres vítimas de violência doméstica e familiar e que estão sob medida protetiva na Bahia. Esse é o objetivo do projeto de lei apresentado pelo deputado Alex da Piatã (PSD), na Assembleia Legislativa, que prevê a reserva para esse público de 10% das vagas de emprego das empresas prestadoras de serviços contratadas pelo Estado.

Segundo a proposta, o uso do percentual de vagas reservadas se dará durante o período da prestação de serviços e será aplicado a todos os cargos oferecidos. Além disso, o número de mulheres vítimas de violência doméstica deverá ser atualizado. Para tanto, os casos já catalogados deverão ser informados mensalmente pelas autoridades policiais e enviados para a Secretaria de Segurança Pública da Bahia e para a ALBA.

Os editais de licitação e os contratos deverão contar cláusula com a determinação e na hipótese do não preenchimento da quota prevista, as vagas restantes serão revertidas para as demais mulheres trabalhadoras.

De acordo com dados apresentados por Alex da Piatã, mais de 1.700 mulheres estão sob proteção direta da Ronda Maria da Penha – projeto da PM que tem como objetivo proteger mulheres que vivem sob ameaça –, nas cidades onde a especializada atua na Bahia. Entre elas, Salvador, apontada como a capital nordestina líder no ranking de violência doméstica física divulgado pela Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres (ONU Mulheres).

O levantamento Condições Socioeconômicas e Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher, desenvolvido pela Universidade Federal do Ceará (UFC), apontou que 19,76% das mulheres soteropolitanas já foram vítimas de algum tipo de violência em casa ao longo de toda a vida.

“A porcentagem equivale a cerca de 225 mil mulheres entrevistadas sobre o assunto na capital baiana, na faixa etária dos 15 aos 49 anos”, pontuou o deputado, ao justificar o projeto de lei. Além das agressões físicas, 24, 2% delas apontaram ter sido vítimas de violência emocional, enquanto outras 7,81% disseram ter sofrido violência sexual.

Em relação ao período contabilizado nos últimos 12 meses, 4,73% relataram ter sofrido algum tipo de violência física, ao passo que 9,59% vivenciaram casos de violência emocional e, por fim, outras 2,13% foram vítimas de violência sexual.

Além disso, segundo dados da Polícia Civil, as medidas protetivas na Bahia vêm registrando aumento desde 2017, quando foram computados 35.244 registros, com média de 2.937 casos a cada mês. “Um total de 1.120 medidas protetivas de urgência foram expedidas de março a agosto no ano de 2020 nas quatro Varas de Violência Doméstica de Salvador”, acrescentou o parlamentar, explicando que os casos aumentaram durante a pandemia da Covid-19.

Para ele, são dados que preocupam e servem de alerta para a necessidade de ações práticas que encorajem as mulheres a realizarem denúncias contra seus agressores e buscarem seus direitos.

“Destinar vagas de trabalho para vítimas deste tipo de violência é de suma importância, pois, a independência financeira possibilita maior autonomia para que as vítimas possam se desatrelar dos seus agressores, possibilitando a sua inserção no mercado de trabalho, já que são parte de uma população que sofre pelo preconceito por conta da violência a qual foram submetidas”, concluiu ele.

Veja como votaram os deputados federais baianos na PEC do voto impresso

A PEC do voto impresso, bandeira do presidente Jair Bolsonaro, foi rejeitada na noite desta terça-feira pela plenário da Câmara de Deputados, em Brasília. A derrota veio com maioria dos votos. Foram 218 votos pelo seu arquivamento e apenas 229 votos favoráveis.

Para que a PEC fosse aprovada, era necessário o apoio de no mínimo 308 deputados. Com o resultado, não foi preciso abrir o segundo turno de votações, e o texto foi arquivado pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL).

Dos 39 deputados federais da Bahia, nove estiveram ausentes da votação, outros nove votaram a favor da PEC do voto impresso, enquanto 21 votaram contra.

Confira como votaram os deputados federais baianos

Votaram “sim”:

Alex Santana (PDT)
Cacá Leão (PP)
Claudio Cajado (PP)
Kannário (DEM)
Leur Lomanto Júnior (DEM)
Márcio Marinho (Republicanos)
Tia Eron (Republicanos)
Tito (Avante)
Uldurico Júnior (PROS)

Votaram “não”:

Afonso Florence (PT)
Alice Portugal (PCdoB)
Antonio Brito (PSD)
Bacelar (Podemos)
Daniel Almeida (PCdoB)
Félix Mendonça jr (PDT)
João Carlos Bacelar (PL)
Jorge Solla (PT)
José Rocha (PL)
Joseildo Ramos (PT)
Lídice da Mata (PSB)
Marcelo Nilo (PSB)
Mário Negromonte Jr (PP)
Otto Alencar Filho (PSD)
Paulo Magalhães (PSD)
Professora Dayane Pimentel (PSL)
Raimundo Costa (PL)
Sérgio Brito (PSD)
Valmir Assunção (PT)
Waldenor Pereira (PT)
Zé Neto (PT)

Ausentes:

Abilio Santana (PL)
Adolfo Viana (PSDB)
Arthur Maia (DEM)
Charles Fernandes (PSD)
Elmar Nascimento (DEM)
José Nunes (PSD) – ausente
Pastor Sargento Isidório (Avante)
Paulo Azi (DEM)
Ronaldo Carletto (PP)

Pesquisa reforça tendência de polarização entre Lula e Bolsonaro em 2022

O novo levantamento da Paraná Pesquisas divulgado nesta quinta-feira, 29, aponta para um cenário fortemente polarizado nas eleições de 2022, em uma disputa acirrada entre o ex-presidente Lula e o atual, Jair Bolsonaro. No segundo turno, conforme a pesquisa, Lula venceria Bolsonaro por 43,4% dos votos contra 38,2%. Como novidade, surge na pesquisa o apresentador José Luiz Datena como terceiro colocado, na frente de nomes considerados como apostas para a “terceira via”, como Ciro Gomes (PDT), João Doria (PSDB) e Luiz Henrique Mandetta (DEM).

Em todos os sete cenários compostos pelo instituto, Lula aparece na liderança, mas na maior parte deles a briga é apertada. Um deles mostra o petista com 33,7% das intenções de voto e Bolsonaro com 32,7%. Recém-filiado ao PSL, Datena aparece logo atrás com 7%, praticamente empatado com o pedetista Ciro Gomes, que tem 6,85%. Mais atrás vem Doria, com 3,95%, o ex-ministro da Saúde, Mandetta, com 1,8%, e a senadora Simone Tebet, com 0,7%. Pretendido pelo PSD, Rodrigo Pacheco, presidente do Senado, tem 0,6% das intenções de voto.

Somente com Lula e Datena na disputa, ex-presidente venceria com mais folga: 43,1% a 31,5%. O apresentador também perderia para Bolsonaro, mas com uma margem abaixo de 3 pontos percentuais – 38,4% votariam em Bolsonaro enquanto 35,5% em Datena. Foram ouvidos 2.010 eleitores brasileiros de 26 estados e o Distrito Federal entre os dias 24 e 28 de julho de 2021. A margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos.

Prefeito de Jeremoabo é acusado de falsificar exames de Covid de eleitores adversários

Falsificar exames de Covid-19 à época da campanha com o objetivo de impedir que eleitores da chapa adversária pudessem ter acesso às sessões eleitorais para o direito ao voto. Essa é a denúncia que tramita na Justiça Eleitoral contra o prefeito reeleito de Jeremoabo, Derisvaldo José dos Santos (PP), conhecido como Deri do Paloma (PP).

Mês passado, a Justiça Eleitoral deu prazo de cinco dias para que a chapa vencedora nas últimas eleições se manifestasse em relação ao pedido de inelegibilidade requerido pelo diretório municipal do PSD da cidade.

A ação pede inelegibilidade por cessão de bem público móvel para uso de particular e em benefício de candidato; servidores que trabalharam na campanha dos investigados em horário de expediente; além da cessão de material de construção de obra pública para uso particular

O atual prefeito também é acusado de nomear servidores em período vedado, entregar exames de Covid-19 dos eleitores da chapa adversária com resultados falsificados dias antes do pleito. Assim como incentivos fiscais (prática que é vedada pela Justiça Eleitoral durante a campanha) à empresa Natville, que, de acordo com Deri, prometeu implantar uma fábrica no município.

Em troca, currículos foram enviados ao então vice-prefeito, Lula de Dalvino (DEM), responsável pela coleta somente dos eleitores que prometessem votar em Deri do Paloma, que à época, tentava a reeleição.

Quanto à falsificação dos exames de saúde, a acusação é que os resultados dos testes rápidos foram manipulados pela Secretaria de Saúde de Jeremoabo, que teria recomendado quarentena de 14 dias aos moradores, no período da eleição municipal de 2020.

Após isso, essas mesmas pessoas teriam se submetido a testes em clínicas particulares, sendo que os resultados foram negativos. É bom lembrar que a eleição em Jeremoabo foi decidida por uma diferença de 159 votos.

Denúncias de compras de votos também estão sendo investigadas contra Deri. A prefeitura é acusada de desviar materiais de construção, que seriam utilizados para a construção de uma academia de saúde e de uma praça na cidade, para eleitores amigos concluírem obras nas próprias residências, à época da campanha.

Gravações indicam que Bolsonaro demitiu ex-cunhado por não entregar salário em esquema de rachadinha

O presidente Jair Bolsonaro demitiu o ex-cunhado André Siqueira Valle do cargo de assessor por não entregar a maior parte do seu salário para um suposto esquema de rachadinha. O caso teria ocorrido quando Jair Bolsonaro ainda era deputado federal e foi revelado por gravações da irmã do assessor, Andrea Siqueira Valle, obtidas pelo UOL.

André Siqueira é irmão da segunda mulher de Bolsonaro, Ana Cristina Siqueira Valle. Bolsonaro se casou com ela em 1998 e desde então pelo menos 18 parentes de Ana Cristina foram nomeados a cargos em seu gabinete ou no dos filhos Carlos e Flávio.

As nomeações são alvos de investigação por um suposto esquema de funcionários fantasmas e rachadinhas que chegam a 90% do valor do salário dos nomeados. De acordo com as gravações, André se negou a entregar parte do seu salário e então foi demitido a pedido de Bolsonaro:

“O André deu muito problema porque ele nunca devolveu o dinheiro certo que tinha que ser devolvido, entendeu? Tinha que devolver R$ 6.000, ele devolvia R$ 2.000, R$ 3.000. Foi um tempão assim até que o Jair pegou e falou: ‘Chega. Pode tirar ele nunca me devolve o dinheiro certo’. Não sei o que deu pra ele”, conta Andrea em um trecho do áudio.

Além dos áudios, Andrea teria revelado em pelo menos outras duas ocasiões a fontes próximas a ela o esquema de desvio de salários operado no gabinete de Jair, segundo a reportagem.

André trabalhou no gabinete de Jair Bolsonaro entre novembro de 2006 a outubro de 2007. Neste período seu salário era de 6.010,78 reais. Apenas nos últimos 15 dias, em uma breve mudança de cargo antes de ser exonerado, passou a receber metade deste valor, cerca de 3 mil reais.

Antes de ser nomeado no gabinete de Jair Bolsonaro, André também ocupou cargo no gabinete de Carlos Bolsonaro, entre 2001 e 2005 e depois de fevereiro de 2006 até novembro daquele ano, quando foi nomeado por Jair.

Já a irmã Andrea, autora das gravações, é o centro da investigação de esquema de rachadinha no gabinete de Flávio Bolsonaro. Ela ocupou cargos nos gabinetes de Jair, Carlos e Flávio durante vinte anos.

De acordo com a investigação, no período em que ocupou os cargos, Andrea frequentava academias três vezes ao dia e fazia bicos de faxineira. Enquanto esteve no gabinete de Flávio, ela ainda teria sacado em dinheiro mais de 98% dos seus vencimentos, 663 mil reais.

CPI convoca Ricardo Barros e diretor da Saúde citado em denúncia de propina por vacina

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid aprovou a convocação do líder do governo na Câmara, deputado Ricardo Barros (PP-PR), nesta quarta-feira (30). O ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Dias, também foi convocado.

A convocação de Ricardo Barros acontece depois do depoimento dos irmãos Miranda à CPI, na semana passada. De acordo com relato, houve pressão pela liberação da vacina indiana Covaxin, mesmo com a constatação de irregularidades no contrato pela área técnica.

Ainda segundo o depoimento, a suposta pressão e indicativos de fraude foram relatados ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que teria atribuído o caso ao deputado Ricardo Barros.

Exonerado na noite desta terça-feira (29), Roberto Dias é apontado como um dos que pressionaram pela liberação da Covaxin. O movimento foi feito após entrevista publicada pela Folha de S. Paulo com o representante da Davati Medical Supply no Brasil, Luiz Paulo Dominguetti, que também foi convocado. O empresário afirmou que o diretor da Saúde pediu propina de US$ 1 por cada dose de vacina da AstraZeneca para a empresa assinar contrato com o ministério.

‘Esse governo que aí está não me representa’, diz Ivete após ser chamada de isenta

Ivete Sangalo voltou a se pronunciar nas redes sociais após uma grande polêmica na última segunda-feira (21) ao afirmar que a situação da pandemia no Brasil não tinha ligação com política (leia aqui).

Em um novo desabafo compartilhado em seu Instagram, a artista afirmou que não se sente representada pelo governo de Jair Bolsonaro (sem partido), mas evitou citar o nome do presidente e pedir a saída dele.

“Entendo o quão necessário é nesse momento não estabelecer dúvidas sobre o que acredito, esse governo que aí está não me representa nem mesmo antes da ideia dele existir”, escreveu.

No texto, Ivete ainda afirmou que o cenário só irá mudar nas eleições, e agora a população precisa se cuidar para evitar a propagação do vírus.

“Isso vamos resolver quando unirmos forças nas próximas eleições através do poder do voto. Agora vamos nos unir em prol do que podemos fazer nos nossos espaços para driblar essa desorganização que são: o uso de máscaras, higienização, vacinas e o que mais necessário for”.

A artista, que tem 49 anos e já passou da idade de ser imunizada em Salvador, encerrou o pronunciamento pedindo vacina para todos. A capital baiana está imunizando pessoas de 47 anos ou mais, nascidas entre 23 de fevereiro de 1974 e 22 de junho de 1974.

Nas redes sociais, Ivete, que faz questão de fazer campanha pela vacinação, ainda não revelou se já recebeu a primeira dose.

ACM Neto se reúne com deputados estaduais do DEM para discutir eleições de 2022

O presidente nacional do Democratas e ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, se reuniu nesta terça-feira (4) com a bancada de deputados estaduais do partido na Bahia. Na pauta, segundo a assessoria de Neto, discussões sobre as eleições do próximo ano.

O encontro, realizado na sede da legenda no estado, teve também a presença do deputado federal Paulo Azi, presidente estadual da sigla, do ex-governador Paulo Souto, do ex-prefeito de Feira de Santana José Ronaldo de Carvalho e do ex-deputado Luciano Ribeiro.

Participaram os deputados estaduais Sandro Régis, líder da Oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), Alan Sanches, Tom Araújo, Pedro Tavares e Luciano Simões Filho, que lidera a bancada do partido no Legislativo estadual. Na reunião, eles discutiram estratégias para eleições de 2022, com avaliação do cenário político atual na Bahia e no Brasil.

“O Democratas saiu fortalecido do pleito de 2020, ao eleger 9 prefeitos nas 30 maiores cidades do estado. Agora, estamos discutindo o nosso estado para apresentar, em 2022, um projeto que foque nos interesses da Bahia e dos baianos, sob a liderança de ACM Neto”, afirmou Régis.

Top